social commerce |

Social commerce pode perder força no varejo em 2014

<span data-sheets-userformat="[null,null,769,[null,0],null,null,null,null,null,null,null,1,0]" data-sheets-value="[null,2,"A previs\u00e3o \u00e9 de que vender pelo Facebook

Keslen Deléo

Keslen Deléo

<span data-sheets-userformat="[null,null,769,[null,0],null,null,null,null,null,null,null,1,0]" data-sheets-value="[null,2,"A previs\u00e3o \u00e9 de que vender pelo Facebook ou pelo Twitter n\u00e3o vai mais fazer sucesso. Ser\u00e1?"]">A previsão é de que vender pelo Facebook ou pelo Twitter não vai mais fazer sucesso. Será?

Foi marcante, dentro do 103º Retail’s Big Show, que aconteceu em Nova Iorque nesse mês, o fato de o social commerce estar perdendo força. Apontada como uma grande tendência no varejo durante todo o ano passado, essa modalidade tem sido cada vez menos indicada por especialistas.

Não é que as mídias sociais tenham deixado de ser um canal importante para os comerciantes – longe disso, aliás –, mas o foco delas deve ser a produção de conteúdo e o relacionamento com os clientes, ao invés de vendas e ações promocionais, exclusivamente. O importante ao se trabalhar com as mídias sociais, antes do social commerce, deve ser aliar informação sobre o cliente com um conteúdo relevante, direcionando-o, se necessário, para outras plataformas.

(veja a notícia completa aqui: http://bit.ly/MAbKqS )