boas ideias |

Sem desculpas: por que você deveria começar aquele seu projeto agora mesmo

Acha que não tem tempo, não tem dinheiro ou sua ideia nem é tão boa assim? Deixa disso! Esse texto do Paul Jarvis para o themuse.com é certeiro. Abaixo, você vê a

Keslen Deléo

Keslen Deléo

Acha que não tem tempo, não tem dinheiro ou sua ideia nem é tão boa assim? Deixa disso!

Esse texto do Paul Jarvis para o themuse.com é certeiro. Abaixo, você vê a tradução na íntegra: porque nós também achamos que essas desculpas aí são furadas demais para continuar dando quando te perguntam por que você não leva aquela ótima ideia adiante.

“Quando foi a última vez que você trabalhou num projeto paralelo? Algo que te tirou da zona de conforto e ampliou sua mente e suas capacidades criativas? Algo em que você tem sonhado há muito tempo? Algo que fosse divertido* *de verdade?

Seja um serviço de delivery de donuts veganos ou um site que avalia estilos de pelo de cachorros, projetos paralelos são indicadores fortes do que você é capaz porque eles te dão a oportunidade de arriscar e experimentar, aprender coisas novas, e testar aquelas ideias que provavelmente não empolgariam tanto o seu chefe. Projetos assim também podem ser a motivação que você precisa para seguir em frente em épocas difíceis e chatas na sua vida ou trabalho.

No entanto, eles não são exatamente o seu bilhete dourado instantâneo para a fama, o sucesso e os milhões de dólares. Isso porque eles tendem a requerer mais trabalho do que o seu emprego normal, e na maioria das vezes eles nem têm retorno. Mas se você experimentar, talvez um deles funcione. E aí, maluco, as coisas vão ser sensacionais! Quando um desses projetos dá certo, significa que você criou algo que não existia, do seu jeito, e deu aquele salto fundamental – acreditou em você e no seu trabalho, mesmo quando os outros não botaram fé. Não tem nada que te realize mais. Quem você é de verdade se manifesta.

Mas, com frequência, a gente se convence a não levar adiante uma ideia de um projeto paralelo. “Vai sair muito caro. Não vai dar certo. Vai ocupar muito do meu tempo. E se eu trabalho um monte e ninguém usa o negócio depois? Ou pior, e se todo mundo que comprar odiar o negócio e rir da minha cara?”

É fácil ter uma ideia para um projeto e daí descartá-la rapidinho. Porque isso dá muito menos trabalho do que, realmente, fazer o projeto. É mais seguro, também, já que a ideia pode viver e morrer na sua cabeça, sem que o mundo todo tenha que saber algo sobre ela. Mas isso significa que você nunca vai ter nenhum dos benefícios maneiros – e que nunca vai chegar nem perto da chance de ter sucesso.

Vamos examinar algumas das coisas que a autocrítica mais nos coloca para nos impedir de criar – e vamos ver como cada uma delas pode ser superada para que você comece a fazer esse negócio logo.

“Esse projeto vai sair muito caro”

Essa parece ser a razão mais válida para não levar um projeto adiante, certo? Se você não tem como pagar, não deveria começar nada.

Quando a gente começa um projeto, a maioria de nós tem manias de grandeza sobre o que vai ser do nosso projeto (e de quantos milhões e quais recursos essa coisa enorme vai precisar). Mas, na verdade, a maioria das ideias pode começar sem nada disso, ao menos no começo. Por exemplo, um dos meus primeiros projetos paralelos foi o Pseudodictionary. É basicamente um dicionário colaborativo para palavras que não estão em dicionários tradicionais (gírias tipo “noob”). Eu não tinha fundos ou conhecimento pra construir uma lista onde as pessoas pudessem adicionar palavras, então nos quatro primeiros meses eu as adicionei, uma por uma, à mão. Só depois, quando vi que a ideia tinha potencial e as pessoas gostavam dela, eu pude investir e deixar tudo mais automático. Se você começa aos poucos, pode fazer muitas coisas sozinho até que consiga testar e ver se as pessoas gostam da ideia.

E se você realmente precisar de alguma grana pra seguir em frente? Você pode vender sua ideia para conseguir desenvolvê-la. Sites de crowdfunding como o Kickstarter chamam a atenção para vários projetos legais e ajudam a mantê-los, e você pode colocar até um sistema de pagamento no seu site para pré-vendas.

“Meu projeto pode falhar. Ou não ser usado. Ou ser odiado!”

Convencer-se de que outras pessoas não vão gostar do seu projeto é uma profecia bem malandra, porque você justifica que vai desistir de fazer qualquer coisa, e então ninguém nunca vê nada. Uma abordagem melhor para esse medo é começar pequeno e usar amostras para testar se as pessoas também veem valor no que você construiu (ou quer construir) no caminho.

Eu já comecei livros inteiros como tweets. Se eu tenho alguma ideia que parece legal, eu vou pro twitter e testo ela em poucos segundos. As pessoas estão respondendo? Estão interessadas? Elas querem aprender mais sobre isso? Você também pode começar entrevistando pessoas que se encaixam no público-alvo do seu projeto e ver se elas têm que lidar com o problema que você está tentando resolver; aí, você vê se elas estão interessadas na solução em que você pensou. Essa não é uma garantia absoluta de que vai haver mercado para o seu projeto (já que achar algo interessante e comprar algo são coisas bem diferentes), mas é um começo.

Meu jeito favorito de testar ideias é fazer uma lista de email pré-lançamento. Leva menos de um dia para escrever, montar e colocar no ar uma página com uma mailing list e um aviso de “Em breve”. Eu costumo incluir uma sinopse do projeto (qual problema será resolvido) e aí coloco alguma call-to-action do tipo “Inscreva-se se você tem interesse”. As chances são de que, se mais de cem pessoas se inscreverem, sua ideia tem méritos suficientes para ir em frente.

“Não tenho tempo pra isso”

Estar ocupado é muito glamurizado hoje em dia. Todo mundo tem que estar ocupado o tempo todo, normalmente muito ocupado pra ficar ainda mais ocupado. Quem tem tempo de criar um projeto quando você tem um emprego, três filhos, ou uma agenda cheia com prática de frisbee todo dia?

Bom, tenho uma notícia pra você: Arrumar tempo para qualquer coisa é uma questão de dizer não para outras coisas.

O que você pode cortar da sua vida (e ainda estar feliz) que te daria tempo pra criar? Por exemplo, eu cortei a TV há quase dez anos, e nunca mais voltei. Eu também parei de acompanhar esportes e não vejo um videogame desde o Super Mario Bros (o primeiro). Como eu prefiro ocupar meu tempo trabalhando nas minhas ideias do que consumindo (passivamente) sitcoms ou o Super Bowl, acho que minha vida está priorizada corretamente. E não quero dizer, aqui, que TV ou videogames são coisas ruins, só que eles não são mais prioridade na minha vida, por causa de outras coisas que importam mais.

Eu também acordo mais cedo do que a maioria das pessoas, então eu tenho tempo para escrever mesmo nos dias em que eu tenho a agenda cheia com clientes e trabalho para o meu negócio de web design. Quando eu estou muito concentrado em escrever algum livro novo, eu deixo de sair com os amigos algumas vezes ou passo o fim de semana em casa.

Trabalhar nos seus projetos pode ser um pouco egoísta, e tá tudo bem. Você está usando seu tempo para fazer algo que você curte e que vai contribuir com a vida de outras pessoas. Enquanto não ocupar todo o seu tempo ou acabar com todos os seus relacionamentos, faça o que for preciso para tornar seu projeto uma realidade.

“Minha ideia é grande demais pra levar adiante”

Uma ideia de um projeto pode se tornar um inferno quando você começa a pensar nas condições reais para fazê-lo acontecer. Pode te desencorajar a ponto de você começar a procrastinar tudo (e normalmente é isso que acontece).

Mas com toda ideia, há um jeito de transformar o projeto enorme numa versão mais enxuta, o suficiente para que você consiga construir tudo rápido. Assim, você economiza dinheiro e consegue colocar sua ideia no mercado mais rápido (o que será o teste definitivo da viabilidade dela).

Se você quer montar uma escola online para ensinar as pessoas a programarem, por que não começar com um curso por e-mail? Se você pensa em construir uma ferramenta para que os escritores entrem em contato com as editoras a partir de gênero, orçamento e tempo, por que não começar com um quadro de mensagens ou um fórum? Se você quer abrir uma loja virtual para vender roupas, por que não mostrar essas roupas para as pessoas e ver a reação delas antes?

Pense em uma maneira de chegar à essência da sua ideia, como uma tarefa simples que você pode ajudar alguém a completar. Em sua forma mais simples, como seria a sua ideia? Com a menor quantidade necessária de trabalho? Como a sua ideia pode ser levada para o mercado rapidamente para ver se algo tem que ser mudado ou continuar crescendo baseado na demanda?

Sempre tem um jeito de simplificar as coisas. Pense em como fazer isso com a sua ideia e como você pode ir em frente mais rápido.

Com frequência, a gente fica confortável demais nas nossas vidas, empregos, habilidades, e acabamos esquecendo como é legal (e recompensador) crescer e experimentar coisas novas.

Então, o negócio é tirar a bunda do sofá e mostrar seu trabalho para o mundo. Pode não revolucionar a indústria. Pode não te fazer trilionário. Mas você é uma pessoa criativa. Você faz coisas acontecerem. Vai lá e faz isso.”