risco de fraude |

Por que sua loja virtual precisa ter um sistema antifraude?

Veja por que sua loja virtual deve adotar um sistema antifraude para transmitir mais segurança e proteger seu negócio e seus clientes

Sueida Johann

Sueida Johann

Veja por que sua loja virtual deve adotar um sistema antifraude para transmitir mais segurança e proteger seu negócio e seus clientes

Neste artigo, você vai entender por que a sua loja virtual precisa ter um sistema antifraude. Mas, antes de mais nada, para que serve esse sistema, afinal?

1. O que é um sistema antifraude?

Os sistemas antifraudes são ferramentas utilizadas para detectar possíveis fraudes. A fraude é um modo de lesar e causar prejuízo financeiro e econômico à sua loja.  Os fraudadores agem em todos os segmentos do comércio e no mundo virtual não é diferente. Esta é uma realidade que, muitas vezes, impede a conclusão de uma venda porque ou o cliente desconfia que algo possa estar errado, ou o sistema antifraude desconfia e não autoriza a compra.

Fugir totalmente das fraudes é muito difícil, mas existem sistemas muito eficientes que ajudam sua loja virtual a se esquivar do perigo. Então, veja por que sua loja virtual deve adotar um sistema antifraude para proteger seu negócio e seus clientes também.

2. Como proteger o lojista?

Por meio de sistemas antifraude, o lojista pode proteger as transações efetuadas em sua loja virtual e evitar prejuízos. Então, assim que sua loja estiver “de portas abertas”, um sistema à prova de golpe também já deve estar trabalhando para defender as suas vendas.

O Fcontrol e o clearsale são exemplos de sistemas antifraudes. Eles atuam no gerenciamento de risco de perdas e na avaliação dos pedidos.

Em geral, os sistemas contra farsas  funcionam como uma rede de inteligência, analisando e comparando dados para, no final, dar um parecer se a compra é segura ou não. A autorização acontece se o sistema concluir que os dados fazem sentido e estão de acordo com o perfil do cliente.

Um bom sistema antifraude é importante porque faz a análise de risco das operações com rapidez, garantindo as vendas e o chamado chargeback (em português: estorno). Reprovar compras por falsa suspeita ou muita demora para liberar um pedido não são sinônimos de um bom sistema contra trapaças.

Todo consumidor possui um perfil de compra e os sistemas funcionam analisando esses dados para autorizar ou não a compra. Diversas variáveis são analisadas, tais como histórico de compras do email do cliente, endereço de entrega dos produtos, número do cartão de crédito utilizado para a compra e o CPF do cliente.

Porém, mesmo com toda essa análise de dados, utilizando dezenas de variáveis e centenas de coeficientes, ainda assim, os sistemas não são infalíveis.

3. Quais os riscos de não ter?

As fraudes vêm causando muitos prejuízos para os comerciantes virtuais, principalmente pelo grande aumento de lojas nos últimos tempos e o grande volume de dinheiro que circula na rede. Os hackers estão atentos e elaboram formas de fraudar as compras.

O maior risco de uma fraude é perder o dinheiro mesmo. E também perder credibilidade. Se sua loja não possui um sistema antifraude, acaba gerando insegurança para o consumidor e ele desiste de comprar.

Um sistema antifraude ajuda o lojista a escapar do chargeback, que faz muitos lojistas passarem pela situação de perder o produto e o pagamento. Isso acontece quando o cliente, por algum motivo, seja ele legítimo ou de má fé, questiona a compra efetuada ou, também, quando um hacker tenta acessar os dados dos seus clientes.

4. Os meios de pagamento já têm isso embutido no serviço deles

As lojas virtuais devem proporcionar aos seus clientes uma experiência de compra na qual eles se sintam seguros e percebam que há a preocupação com a segurança. Para isso, elas contam com a ajuda dos próprios meios de pagamento. Eles cuidam da análise de risco da venda que está sendo feita e, caso haja algo que gere desconfiança, eles barram a concretização da venda.

O Moip, por exemplo, possui ferramentas mecânicas que investigam se o pagamento recebido é uma fraude ou não. Caso seja, a transação vai para uma análise mais profunda, feita por uma pessoa, em que os dados são novamente verificados e o titular do cartão pode ser contactado para confirmar a compra.

Todos os meios de pagamento usados na minestore (Moip, PagSeguro, Bcash, PayPal e, em breve, MercadoPago!) já possuem sistema antifraude integrado. Isso facilita a vida do lojista, pois ele não precisa contratar esse serviço à parte. Já vem no pacote!

LEIA MAIS: