cross docking |

O que é cross docking e quais são suas vantagens e desvantagens

Confira as vantagens e desvantagens do cross docking para a sua loja virtual.

Sueida Johann

Sueida Johann

Confira as vantagens e desvantagens do cross docking para a sua loja virtual.

Se você já tem uma loja virtual ou quer muito ter uma, a questão da logística da entrega da mercadoria é crucial! Quando o consumidor clica no botão finalizar compra, pronto, a ansiedade dele começa e só vai acabar quando o produto finalmente chegar! Para tentar ajudá-lo nessa empreitada, vamos explicar o que é o cross docking e suas vantagens e desvantagens.

Ajudaremos você a entender tudo de um dos temas mais espinhosos da operação de uma loja virtual: a logística. Por isso, escreveremos uma série de artigos sobre o tema. E o porquê de uma série? Simples: temos muita informação para compartilhar! Fique de olho, pois em breve atualizaremos esse post linkando os próximos.

Bom, voltando ao assunto de cross docking…

Antes de mais nada, vamos ao conceito: cross docking (em português “cruzamento de docas” ou “docas cruzadas”) é um sistema de distribuição de mercadorias, mas sem a parte da armazenagem.

Funciona assim: as mercadorias não ficam armazenadas, pois o fornecedor as encaminha para o lojista (você!), que por sua vez, faz uma conferência para ver se está tudo ok, embala e já as envia para o seu cliente.

cross docking

1. As vantagens do cross docking

O cross docking, ao longo do tempo, tornou-se um processo econômico e eficiente, tendo em vista a evolução nos sistemas utilizados para o controle da distribuição dos produtos e a necessidade de agilidade cada vez maior na entrega.

É ideal para uma loja virtual de grande porte e com uma marca forte no mercado, pois na hora da reembalagem a marca da loja é fundamental estar presente.

Aí você pode se perguntar:

— Poxa, “ideal para uma loja virtual de grande porte”! Então não é para mim que estou começando ou ainda sou pequeno ou médio?

A melhor resposta que podemos dar é: “depende”. Mesmo que você seja pequeno, se conseguir um bom acordo com fornecedores, pode valer a pena. E o que é exatamente um “bom acordo”? Veja mais em “redução de custos”, mais adiante.

1. 1. A mercadoria veio certinha?

No cross docking é possível que você controle a conferência da mercadoria, e, caso o produto venha errado ou defeituoso do fornecedor, intervenha antes que ele vá para o consumidor.

Além de uma vistoria básica, você pode criar uma embalagem legal, adicionar um mimo e fazer com que a experiência de compra em sua loja seja ainda melhor! Isso cria proximidade com o consumidor, pois ele vê a marca de sua loja na caixa e percebe atenção da sua parte.

Na outra modalidade de distribuição — o dropshipping (que falaremos em breve) — você não consegue ter acesso ao produto antes da entrega, pois ele vai direto do fornecedor ao consumidor, sem passar por suas mãos.

1. 2. Aqui não tem estoque não!

Quando sua loja começar a usar o cross docking, você vai perceber a liberação de espaço! Os produtos não ficarão mais mofando no estoque, pois logo serão despachados para os clientes (soando de forma repetitiva, mas vale a pena: você só vai receber os produtos, conferir e enviar, sem guardá-los). Imagine como se fosse uma loja física, mas só com a parte do caixa e do empacotamento, sem as prateleiras cheias de produtos. É isso!

1. 3. Redução de custos

Basicamente, o cross docking significa que o fornecedor vai cuidar do estoque dos produtos que ele lhe fornece (seja revendendo ou como fabricante) e vai lhe enviar de forma expressa rápida.

Se conseguir negociar isso de forma que o custo dessa operação (o preço do produto pago para o fornecedor + o custo do frete expresso) fique mais barato que ter o produto em seu estoque (custo do produto + custo do espaço onde você guarda o produto + despesas acessórias do espaço + custo de transporte quando comprou), mande ver e migre CORRENDO para a solução de cross docking, mesmo que seja de um produto ou alguns produtos.

Afinal, com a negociação no formato que sugerimos você vai conseguir reduzir o custo de sua operação e, ainda que seja uma redução pequena, menor custo sempre é melhor 😉

Ah, e o que são as “despesas acessórias do espaço”? Rá! Eis uma pegadinha em termos de custos que muitas empresas esquecem de considerar: luz, água, segurança, manutenção predial, aluguel, etc., etc., etc. Não tem jeito, para descobrir se o cross docking pode ser uma opção para você, é necessário conhecer em detalhes sua estrutura de custos. Ou isso ou você precisa ter uma margem muito grande, o que só dá para conseguir se você entrega um “algo mais”, ou se o seu produto for super especial e diferenciado, ou só você vende, e por aí vai.

2. Os cuidados com o cross docking

Já pensou se a entrega demora, e demora, e demora… além do que foi prometido? A ansiedade do cliente vai parar nas alturas! E ele vai jogar “praga” em você e não no fornecedor. Não esqueça: quem vendeu para ele foi você e não o fornecedor!

2. 1. O tempo pode ser um inimigo

Sem dúvida, uma possível desvantagem para quem trabalha com cross docking é o tempo. Se por acaso o fornecedor demorar para entregar a mercadoria, todo o resto do processo de envio vai ficar apertado, pois a mercadoria ainda vai ter que passar por você.

Ao trabalhar com o cross docking é necessário uma comunicação muito clara, tanto com o seu fornecedor (apresentando os seus deadlines) quanto com o consumidor (avisando o tempo médio de entrega do produto).

Sabendo desse empecilho do tempo, você também deve pensar muito bem em quem será o seu fornecedor, já que um processo coordenado entre vocês é fundamental para que tudo corra dentro do tempo planejado.

Caso você more no Paraná, o seu fornecedor na Bahia e o seu cliente no Acre, é óbvio que todo esse processo será um pouco demorado (calcule se os produtos vierem de fora do Brasil!). Porém, essa estratégia pode ser ótima para quem trabalha com fornecedores da mesma cidade ou estado, por exemplo.

2. 2. Precisa investir em gestão

Fazer a mecânica do cross docking funcionar não é nem um pouco fácil. Você precisa ser muito ágil internamente para saber que foi confirmado o pagamento de um pedido com um produto que você gerencia via cross docking, depois precisa enviar o pedido para o fornecedor e garantir que está monitorando todo o processo.

Com 1 pedido e 1 produto você até resolve isso “na mão”, mas e quando estivermos falando de milhares de pedidos e/ou produtos? Como saber que o produto XYZ é do pedido 123 ou do 432? Não tem jeito, quando os volumes aumentarem, você precisará estar preparado.

2. 3. Cuide muito da comunicação e relacionamento com os fornecedores

Você vai precisar de uma equipe muito entrosada e que consiga fazer o mesmo — se entrosar — com o seu fornecedor. Acabamos de falar de softwares de gestão, certo? Pois bem, com volumes logo acima do “muito pouco” ou “pouco”, você vai precisar de um time, porque só o lojista não vai dar conta de gerenciar e monitorar todo o processo, desde o momento que um pedido com pagamento confirmado chega para sua loja.

Então a equipe é fundamental para tocar o dia-a-dia. E você, que é a “cara” da sua loja, deve investir pesado em se relacionar bem com seus fornecedores, criar uma relação de ganha/ganha com eles, afinal eles são estratégicos em sua operação e qualquer erro de comunicação ou falta de sincronia pode ser fatal para sua loja.

2. 4. Pense em ter um Centro de Distribuição (CD)

Lembra que você vai precisar de um local para receber os produtos enviados pelos fornecedores, conferi-los e colocá-los naquela embalagem sensacional da sua loja? Pois bem, onde você vai fazer isso?

Se ainda não tiver demanda para ter um CD ou mesmo terceirizar esse serviço, ok, pode começar em seu escritório mesmo. Entretanto, tenha em mente que isso não deve ser para sempre: logo que começar a crescer, pense em ter um local apropriado para cuidar do recebimento, conferência e envio dos produtos.

2. 5. Teste antes

Ao invés de enfiar o pé no acelerador e virar a sua loja de cabeça para baixo, comece antes com um produto, identifique problemas e faça ajustes. Quando tiver certeza que está tudo funcionando às mil maravilhas, expanda a operação de cross docking.

2. 6. Prepare-se para gerenciar crises

As coisas podem dar errado e, acredite, têm grande probabilidade de dar no pior momento. Então, esteja preparado para lidar com tranquilidade com seu cliente. Tranquilidade é uma palavra-chave.

Seu cliente, quando o produto atrasar ou chegar com problemas, vai entrar em contato com sua loja e — podemos garantir — não vai estar feliz. Nesse momento, o mais importante é jogar limpo. Esclareça o que aconteceu e sem NUNCA, JAMAIS, DE JEITO NENHUM, jogue a culpa em seu fornecedor. Isso é assunto para você resolver com ele depois, também com tranquilidade.

No momento em que você estiver tratando do problema do seu cliente, foque na relação que ele tem com a sua loja. Certifique-se de fazer todo o possível para atendê-lo bem, explicar toda a situação e esforçar-se genuinamente para resolver o problema. Pode acreditar, seu cliente sabe que as coisas dão errado e o melhor a fazer é não arriscar fazê-lo sentir que está sendo enrolado. Se você fizer tudo direitinho, da forma mais transparente e honesta possível, acredite, você estará resolvendo uma dor e, ao mesmo tempo, fidelizando o cliente.

3. Só não precisa ter medo!

Tudo tem seu lado positivo e seu lado negativo, não é mesmo?! O cross docking está aí para ajudar, você só precisa estudar se essa modalidade funciona para a sua loja virtual, afinal o sucesso da logística de entrega de mercadoria é muito importante para que seus consumidores fiquem felizes da vida!

Receber algo que se está esperando e no prazo prometido! Nossa… é a melhor coisa que existe!

Se você é lojista e já trabalha com essa modalidade, compartilhe as suas experiências nos comentários! Vamos adorar ouvir a sua opinião sobre o assunto! =D