mine história |

mine história: Thiago, da Pokt

Saiba como um problema pessoal originou um e-commerce na minestore e faturou R$ 150 mil já no primeiro ano

Juliana Reis

Juliana Reis

Thiago sempre teve um problema com sua carteira: com todos os pertences dentro, ela ficava muito gorda, portanto desconfortável para carregar no bolso. Então ele procurou umas carteiras americanas chamadas slim wallet, bem mais finas. Mas eram feitas para o mercado americano e não tinham compartimento ideal para, por exemplo, a carteira brasileira de habilitação. Observando bem, ele percebeu que não estava sozinho. Todo homem, um dia, achou que aquele tijolo - cheio de cartões, documentos e algum dinheiro - era inconveniente para carregar e fácil de ser perdido ou roubado.

Esse foi o clique para Thiago se dar conta de que estava diante de uma oportunidade de negócios e começar a produzir a carteira que ele gostaria de ter. “Bons produtos e ideias normalmente nascem de um problema que você tem”, ele disse em uma palestra para lojistas da minestore. A pokt.it, marca de carteiras slim do paranaense Thiago Lorusso, nasceu de um investimento próprio de R$ 500 mensais ao longo de 10 meses e faturou R$ 150 mil já no primeiro ano. Mas antes da bonança - e antes da Pokt virar e-commerce pela minestore - veio muita tempestade.

Thiago nem sabia o que era um armarinho até que precisou entrar em um para comprar os elásticos, linha e agulha com os quais desenvolveria pessoalmente os protótipos da Pokt. ‘Desenvolver pessoalmente’ significa que Thiago iria aprender a costurar. E ele, que era publicitário, aprendeu! Graças aos ‘tutoriais’ de aliados que surgiram no caminho: a mãe, a costureira do bairro e, claro, vídeos no estilo ‘faça você mesmo’ no YouTube.

Alguns meses, muito corte e costura e 60 protótipos depois, a carteira Pokt definitiva nascia. Espaçosa, mas fininha, com lugar até para moedas e chave, e ideal para ser guardada no bolso sem incomodar nem ao sentar.

Amigos e a namorada usaram e deram pitacos no produto, que foi sendo aprimorado para as necessidades dos brasileiros - aliás, foi assim que surgiu o detalhe do protetor para carteira de habilitação nacional. As mulheres também gostaram porque - surpresa! - ninguém merece ir para todo lugar carregando bolsas enormes (pensem como é chato carregar coisas numa balada, na academia, caminhando no parque…). De um obstáculo pessoal, nosso herói estava construindo uma solução para um problema que era dos outros também. O produto tinha propósito.

Tanto propósito que um dia chegou um pedido de 60 carteiras. POR ESSA, THIAGO NÃO ESPERAVA! É que os amigos acabaram divulgando a carteira nas redes sociais e, pasmem(!) ela agradou mesmo. Ele, a mãe e uma galera terceirizada se puseram a costurar para atender ao primeiro grande pedido e o ritmo foi a cerca de 150 carteiras vendidas mensalmente por meio de um site caseiro no Wordpress.

Então veio um prêmio! Aberta em 2015, a Pokt conquistou em 2016 o troféu NEW BUSINESS da Red Week Ideas, um evento na Redhook Escola de Criatividade, em Curitiba, que dá a 6 novos negócios a oportunidade de 5 minutos de fama contando sua história. Ali a Pokt foi considerada solução criativa, inovadora e efetiva.

Daí para chamar a atenção do prestigiado programa Pequenas Empresas & Grandes Negócios - que apresenta cases de sucesso de empreendedores iniciantes - passaram-se alguns meses. E pouco antes da história da Pokt de Thiago Lorusso ser publicada, seu site de vendas Wordpress foi hackeado e praticamente destruído sem chance de volta. Estava a caminho um fiasco: aparecer em rede nacional com um site arruinado.

A minestore salvou o dia

A minestore entrou na história para construir o e-commerce novinho da pokt.it a tempo de Thiago e suas carteiras slim se tornarem conhecidos no Brasil inteiro. Dois dias depois da publicação pela Pequenas Empresas & Grandes Negócios, 1800 carteiras já estavam vendidas pela pokt.it criada com a minestore.