|

Mine entrevista: Raw Clothing

Qual seria o resultado da união entre arte e peças de roupa? A resposta é a Raw Clothing! Quando uma Diretora de Arte e uma Fotógrafa se unem para criar uma marca de

Keslen Deléo

Keslen Deléo

Qual seria o resultado da união entre arte e peças de roupa? A resposta é a Raw Clothing!

Quando uma Diretora de Arte e uma Fotógrafa se unem para criar uma marca de moda, o resultado não pode ser outro além de peças de muito bom gosto e uma apresentação incrível, né? A Raw Clothing é justamente assim.

Comandada pelas sócias Thayná Britto e Larissa Dare, a marca começou com o objetivo de oferecer arte em peças de roupa a um valor acessível, para quem não tinha condições de comprar fotografias em quadros, por exemplo.

Por prestarem muita atenção ao detalhes e entregarem peças pra lá de legais, a marca começou a ganhar o coração de pessoas de todos os estados do Brasil (a meta agora, inclusive, é vender na gringa).

Conversamos com a Thayná Britto, uma das sócias, para entender melhor qual é o processo de criação e o dia a dia da Raw Clothing. Confira!

raww
1- Qual é a história da Raw ?

A RAW nasceu de uma breve ideia de criarmos uma linha de camisetas diferentes, a princípio com algumas fotografias em full print da minha sócia/namorada Larissa. Queríamos fazer algo diferente do que estávamos acostumadas a ver, e levar a fotografia pra camisetaria seria uma maneira mais acessível de oferecer arte pra quem não tem condições de comprar fotografias em quadros, por exemplo. A partir daí, produzimos poucas peças e foi um mega sucesso!

Depois do sucesso das camisetas, entramos no caminho da camisaria em si, e seguimos no nosso carro chefe desde então. Agora a marca abrange novas peças como carteiras, vestidos, saias, croppeds etc. (Spoiler da próxima coleção!!)

2- O que diferencia a Raw das outras marcas de roupa?

Acreditamos que a RAW conversa diretamente com o clientes como amigos. Nosso discurso é sempre tentar dialogar e conhecer mais quem se aproxima da marca. Tentamos incluir no universo da loja, além das nossas peças, sempre um conteúdo de música, humor, arte, etc.

3- Quando você teve a ideia de abrir a loja, fez isso diretamente na minestore ou antes usou alguma outra plataforma e/ou fez vendas em alguma loja física?

Tentamos abrir primeiramente as vendas via Facebook por meio da nossa página, manejando isso só por depósito bancário. Mas percebemos que a gente precisava ir mais além disso.

4- Na sua opinião, quais são os benefícios de ter uma loja na minestore?

A minestore proporciona mais opções de pagamento e parcelamento pro cliente que compra, sem prejudicar o vendedor. A equipe esta sempre disposta a tirar nossas dúvidas e o layout do site, limpo e direto, auxilia na hora das vendas.

5- Que dica você daria para as pessoas que estão começando um negócio/ uma loja virtual?

Primeiro de tudo, organize-se financeiramente. Ninguém quer começar um negócio se endividando. Você precisa organizar pra não quebrar logo de cara.

Invista na carinha da sua loja, nas fotos e na identidade visual. São elementos que, sem dúvida, farão toda a diferença pro seu negócio.

E acredite no que você vende, acredite que o que você faz com amor, vai levar amor pra outras pessoas também, e vai voltar pra você em mais amor ainda!

6- Que ações você faz para divulgar a sua loja para o maior número de pessoas?

Fazemos algumas feiras e bazares, e procuramos divulgar nossa loja o máximo possível nas redes sociais da própria marca e nas contas pessoais. Procuramos também criar sempre promoções especiais para os clientes. Quem não curte uma boa promoção em tempos de crise né? 😉

7- Como é esse processo de desenvolvimento das coleções? Vocês chegam a ficar de olho nas tendências atuais das passarelas, etc? Onde buscam as referências para a criação das peças?

O mundo da moda ta ai pra gente se inspirar e estamos buscando referência o tempo inteiro, tanto em lojas gringas, como em desfiles e coleções que curtimos. Mas a nossa pincipal inspiração vem sempre do que nos cerca, texturas e cores que nos agradam principalmente. Fazemos uma pesquisa funda do que queremos, criamos o conceito por trás da coleção, e a partir daí vamos atrás do que se encaixa melhor nela. Os tecidos, os botões, a cor da linha, o tipo de costura, etc.