anunciar nas redes sociais |

Menos de um terço dos brasileiros clica em anúncios nas redes sociais

Pesquisa divulga hábitos online dos brasileiros (com resultados no mínimo intrigantes) A empresa britânica de pesquisas Mintel divulgou, recentemente, o levantamento “Estilo de vida dos brasileiros – hábitos online Brasil”, com dados coletados em

Keslen Deléo

Keslen Deléo

Pesquisa divulga hábitos online dos brasileiros (com resultados no mínimo intrigantes)

A empresa britânica de pesquisas Mintel divulgou, recentemente, o levantamento “Estilo de vida dos brasileiros – hábitos online Brasil”, com dados coletados em dezembro do ano passado ouvindo 1.046 adultos (acima de 16 anos) que utilizaram a internet nos últimos três meses. Nessa pesquisa, ainda que 84% dos entrevistados tenha afirmado acessar mídias sociais, apenas 26% disse ter clicado em links vistos em páginas de redes sociais para acessar o site de uma marca e** 22% afirmaram ter clicado em propagandas estampadas em sites de relacionamento**.

Esses dados sugerem que o brasileiro estaria mais interessado em utilizar as redes sociais apenas para se relacionar com outras pessoas (e, não necessariamente, com marcas). Outros números são interessantes para investigar o comportamento online do brasileiro: 22% dos usuários entrevistados afirmou seguir perfis de marcas em redes sociais e só 12% costuma utilizar descontos oferecidos por lá. Reviews e comentários de outros usuários nas redes sociais são encarados com algum ceticismo pelos entrevistados, já que 29% deles acham difícil saber se a opinião sobre um produto ou serviço é verdadeira (e isso, provavelmente, porque a maioria das reviews disponibilizada costuma ser positiva).

Sobre ecommerce, cerca de 46% dos entrevistados disse fazer compras na Internet – o maior impeditivo seria, ainda, o medo de colocar dados pessoais como número do cartão de crédito e senhas em risco. Ainda que a divulgação desses dados tenha assumido um tom alarmante (“menos da metade”, “maioria ignora” etc. etc.), é preciso lembrar que esse é um mercado ainda em expansão e que o número de pessoas que compram online, por exemplo, tem crescido exponencialmente nos últimos anos. Portanto, talvez não seja o caso de *desistir completamente *de divulgar sua marca nas redes sociais, por exemplo, mas de repensar seus planos de divulgação levando em consideração esse tipo de dado.

Fonte