como abrir um negócio |

Fazendo Gelatina: Como abrir seu próprio negócio em três passos

<span data-sheets-userformat="[null,null,769,[null,0],null,null,null,null,null,null,null,1,0]" data-sheets-value="[null,2,"Na s\u00e9rie 'Fazendo Gelatina', a gente simplifica tudo

Keslen Deléo

Keslen Deléo

<span data-sheets-userformat="[null,null,769,[null,0],null,null,null,null,null,null,null,1,0]" data-sheets-value="[null,2,"Na s\u00e9rie 'Fazendo Gelatina', a gente simplifica tudo a tr\u00eas passos. Porque nada \u00e9 t\u00e3o complicado que n\u00e3o d\u00ea pra voc\u00ea fazer!"]">Na série ‘Fazendo Gelatina’, a gente simplifica tudo a três passos. Porque nada é tão complicado que não dê pra você fazer!

Você tem um emprego que não te realiza completamente (isso é bastante comum). Você tem um hobby, ou alguma coisa que gosta muito de fazer, algo que te empolga de verdade (também é algo que todo mundo tem, ou deveria). Você vislumbra a possibilidade de largar seu emprego “meh” e passar o dia todo fazendo aquela coisa muito legal, que te daria um baita retorno. A equação parece muito simples, né? Mas, se fosse assim, pelo menos 80% da população mundial estaria feliz e sorridente nesse momento. A verdade é que não é muito fácil sair correndo em direção do que você ama de verdade, principalmente se isso envolve um passo grande do tipo abrir seu próprio negócio. Mas, na teoria, é simples. Reunimos aqui três dicas bem básicas para quem tá precisando daquele empurrãozinho. Vai que você é um empreendedor nato e nem sabia, né?

1. Entenda, pesquise, informe-se
Você pode pensar que uma loja de doces vai ser um sucesso absoluto em qualquer lugar, porque “quem é que não gosta de doces”; ou pode achar que uma casa especializada em lâminas de barbear nunca vai vingar, já que é tão específica. A verdade é que é muito difícil adivinhar essas coisas. Sem contar que você sempre pode otimizar uma ideia sua sabendo o que as pessoas preferem. Por isso, não deixe de fazer pesquisas de campo – pra saber desde a melhor localização e horário de funcionamento até quanto as pessoas estariam dispostas a pagar pelo seu produto ou serviço. Durante a pesquisa, por exemplo, você pode chegar à conclusão de que começar abrindo uma loja virtual é melhor do que alugar uma sala comercial de 700m².

2. Procure um motivo (que não seja o dinheiro)
E não, isso não é uma apologia ao “viva sem nenhum dinheiro, você nem precisa dele” (apesar de ser um chamado para o “dinheiro é um meio, e não um fim”). Pense nas marcas, companhias e empresas que você mais admira: muito provavelmente, a maioria delas tem uma missão e um porquê bem definidos. Isso é o que faz o seu trabalho se diferenciar de todos os outros (acredite: as pessoas conseguem perceber se você está preocupado em oferecer um bom serviço ou se você está preocupado em extorqui-las o máximo possível). Se você já está a fim de empreender pensando em uma coisa que te realiza, é basicamente isso.

3. Tenha paciência: devagar e sempre
Infelizmente, os executivos da Fundação Nobel não vão bater à sua porta no dia em que você estiver lançando sua empresa ou quando tiver tido aquela ideia maravilhosa (tenho esperado isso nos últimos dois anos, nunca aconteceu). Ao mesmo tempo em que é importante saber quando uma iniciativa não tem futuro, é crucial saber esperar (e trabalhar muito enquanto isso). As estatísticas sobre micro e pequenas empresas não mentem: muita gente desiste logo no começo. Mas nada disso vai acontecer com você, porque vai ter um propósito definido e saber exatamente o que está fazendo. Vá em frente!