e-commerce |

Os empreendedores só querem saber de vender online!

<span data-sheets-userformat="[null,null,769,[null,0],null,null,null,null,null,null,null,1,0]" data-sheets-value="[null,2,"Pesquisa da Big Web dibulga a nova onda do

Keslen Deléo

Keslen Deléo

<span data-sheets-userformat="[null,null,769,[null,0],null,null,null,null,null,null,null,1,0]" data-sheets-value="[null,2,"Pesquisa da Big Web dibulga a nova onda do imperador (empreendedor): lojas virtuais v\u00e3o bombar cada vez mais!"]">Pesquisa da Big Web dibulga a nova onda do imperador (empreendedor): lojas virtuais vão bombar cada vez mais!

A Big Web (da Big Data Corp.) divulgou uma pesquisa que mostra, em números, o que muita gente já vinha percebendo: os empreendedores têm no e-commerce uma de suas melhores opções atualmente. Muitas pequenas e médias empresas estão utilizando lojas virtuais como alternativas a todas as outras soluções de venda disponíveis no mercado – e representam 52% do total de sites de e-commerce do país. A pesquisa foi feita com 3,5 milhões de sites (ativos e inativos) no Brasil e 18% deles estão voltados ao e-commerce.

As lojas virtuais com poucos produtos também chamaram a atenção dos pesquisadores. Mais de 50% dos lojistas vendem menos de dez produtos em suas lojas, seguidos timidamente pelas grandes lojas (mesmo com mais de cem itens no catálogo). Isso denota uma forte participação de empreendedores, junto com o fato de muitos dos domínios (48% exatamente) serem registrados fora do Brasil. Dos sites de e-commerce pesquisados, 20% estão integrados com o Google Maps, o que indica que há lojas físicas – e, além da região Sudeste, o Paraná é um dos estados que mais se destacam nessa estatística.

Quanto às práticas mais comuns das lojas virtuais elencadas na pesquisa, destaca-se o uso das carteiras virtuais (como PayPal e PagSeguro), disponível em mais de 40% dos sites. Essa modalidade é seguida pelos cartões de crédito, depósito bancário, boleto e cartão de débito (que só está disponível em 2% dos sites). O principal problema das lojas virtuais (quase todas – 98,06%!) é a baixa quantidade de acessos.

Fonte: http://bit.ly/1mcep9W