Google Analytics |

Como diminuir a taxa de rejeição do seu e-commerce?

Os seus clientes entram no site, mas não chegam a visitar outras páginas? Aprenda como evitar isso e melhorar o desempenho da sua loja.

Redação

Redação

Ter um número alto de pessoas acessando o site nem sempre significa que todos vão acabar comprando alguma coisa. Quando os clientes e visitantes entram nas páginas da sua loja, mas desistem de um produto ou saem antes mesmo que você possa convertê-los, a taxa de rejeição do e-commerce só aumenta.

Mas o que é a taxa de rejeição?

Esse percentual – que você consegue descobrir no Google Analytics –  mostra todos os usuários que entram e saem rapidamente do seu site, sem clicar em outras páginas e produtos.

Nem sempre é fácil medir esse indicativo, já que existem inúmeros motivos para alguém abandonar o site – que vão de um real desinteresse até ao fato de fechar o navegador para realizar outra tarefa.

Mas, para ajudar você a otimizar as páginas, avaliar o desempenho do site e diminuir a taxa de rejeição no seu e-commerce, preparamos essas 11 dicas! Olha só:

Ofereça conteúdo de qualidade.

Colocar conteúdo relevante e bem escrito no seu e-commerce ajuda a criar valor para a loja e posicionar a sua marca entre o público. Ao trazer posts, dicas e notícias interessantes sobre seus produtos e segmento, você mostra que entende do mercado, faz com que o cliente continue interessado no site e não feche o navegador logo depois de ler.

Cuide da sua comunicação visual.

Manter uma identidade visual em todos os canais, deixar a plataforma com um bom design e pensar esteticamente em cada página do seu e-commerce é fundamental. Mantenha o layout sempre agradável, limpo e com boa leitura: os textos não precisam gritar com o leitor, as imagens devem combinar com as cores do site e toda a comunicação tem que conversar com o posicionamento da sua marca.

Proporcione uma boa navegação.

Não deixe os menus escondidos, evite imagens pesadas ou páginas que demoram para carregar. Embora pequenos, esses fatores podem afetar a navegabilidade e a experiência do consumidor, fazendo com que desistam rapidinho da compra e da sua página.

Cuide do SEO.

O SEO – sigla para Search Engine Optimization – ajuda você a se destacar nos buscadores e ganhar credibilidade entre os concorrentes. Para trabalhar bem o SEO, é importante utilizar conteúdo otimizado, com palavras-chave relacionadas às buscas do seu público, termos destacados no meio do texto, imagens com boas legendas e descrições que enfatizam o nome ou função do produto.

Redirecione o cliente para links do seu site.

Em um conteúdo do blog, descrição do produto ou itens relacionados, coloque links que levem o internauta para outras páginas dentro do site. Fazer isso de uma forma sútil é uma boa tática para manter as pessoas no e-commerce por mais tempo, permitindo que elas explorem outras páginas e acabem colocando algo no carrinho de compras.

Configure os links em uma nova aba.

Seja o link de uma imagem do produto em alta resolução ou uma referência externa, certifique-se de que esse conteúdo – que vai levar o usuário para fora da sua página – seja aberto em uma nova aba ou janela. Dessa forma, você evita que a pessoa saia acidentalmente do site e acabe esquecendo de retornar ao carrinho de compras.

Crie um bom Call to Action.

Também chamado de CTA, um Call to Action é uma frase imperativa, que induz o visitante a tomar alguma atitude –  comprar, acessar, se inscrever ou clicar. Na hora de criar os seus CTAs (para um botão de promoções na home ou para conseguir assinantes na sua newsletter), é importante pensar em termos e frases que chamem a atenção e tragam a ideia de exclusividade, importância ou urgência, para que a pessoa fique motivada a fazer o que se pede e continuar a navegar.

Cuidado com as pop-ups.

Em muitos casos, pop-ups podem se tornar chatas ou irrelevantes durante a navegação. Se a mensagem for insistente ou difícil de fechar, pode acabar resultando em um cliente a menos –   afinal, ninguém gosta de ser incomodado enquanto está procurando por algum produto. Pense com cuidado na hora de utilizar pop-ups no seu e-commerce e respeite o espaço do internauta que fechar ou disser “não” para algum informativo na sua página.

Aposte no storytelling.

Contar histórias sobre a sua marca ou produto é algo que cativa o público, deixa empresa mais humana e aproxima você da realidade de quem pretende comprar. Crie histórias dinâmicas, que exploram a origem do produto, o histórico da marca e constroem a confiança do seu cliente. A história deve ser honesta (mesmo que seja uma narrativa ficcional), explorando o que a empresa pode oferecer, transformar e inspirar no dia a dia do cliente.

Utilize boas palavras-chave.

Ao colocar as palavras-chave certas em seu site, você melhora o tráfego, o engajamento e a taxa de conversão do e-commerce, além de deixar a marca com uma boa reputação no universo digital. Para saber quais são os melhores termos, utilize o Google AdWords Keyword Planner, que traz insights para anúncios e descrições do seu site.

Seja responsivo.

Já mostramos por aqui que responsividade é uma das palavras de ordem para 2017. Os consumidores estão procurando produtos e marcas que oferecem rapidez, praticidade e podem ser comprados diretamente por um smartphone ou tablet. Por isso, o seu site precisa funcionar bem em todas as telas, com botões e menus otimizados para não perder clientes nas plataformas mobile.

Além de tudo isso, é preciso ter credibilidade e estudar as respostas do consumidor à cada compra, anúncio e publicação nas redes sociais. Melhorar a taxa de rejeição é um trabalho constante, que deve ser avaliado dia após dia, de acordo com os objetivos da sua marca e o crescimento do universo digital.