loja virtual |

Abrir uma loja virtual ou vender em marketplace? O que é melhor para você?

Por onde começar a vender online? Veja os prós e contras do marketplace e da loja virtual e decida Que vender online é maravilhoso, a gente sempre defende por aqui. Que é muito

Keslen Deléo

Keslen Deléo

Por onde começar a vender online? Veja os prós e contras do marketplace e da loja virtual e decida

Que vender online é maravilhoso, a gente sempre defende por aqui. Que é muito fácil, também. Mas uma loja virtual não é o único canal para vender coisas pela internet. Há inúmeros marketplaces – do Brasil e do mundo – que te permitem vender produtos pela internet de forma rápida e segura. Um marketplace é modelo de negócios que (numa comparação um pouco grosseira) funciona como uma grande feira em que você tem sua barraquinha junto com outros comerciantes. São exemplos de marketplaces assim a Amazon, o Ebay, o Extra e o Submarino (que oferecem esse serviço aqui no Brasil), o Etsy (que é especializado em artesanato e itens vintage, um oásis pra quem curte essas coisas) e, na mesma linha, os brasileiros TanlupElo7 (e até o Enjoei). E o Mercado Livre. O grande Mercado Livre. Basicamente, você coloca seus produtos lá para vender, eles aparecem numa mesma página junto com produtos de milhares de outros vendedores e, se alguém comprar alguma coisa sua, você paga uma taxa. Fim. Parece a solução para tudo, certo? Bem, nem sempre. Por isso, nesse post, vamos explicar melhor quais são as vantagens e desvantagens de vender seus produtos num marketplace/abrir uma loja virtual.

Vender num marketplace pode ser bom porque:

Muito mais clientes chegam até você: Sabe o tráfego de visitantes num só dia num site como o MercadoLivre.com.br? É, tipo, zilhões. Sério: um número grande, bem grande. E um dos primeiros fatos sobre o comércio virtual (que, no fim, segue a mesma dinâmica do varejo físico) é que a conversão depende do tráfego. Ou seja: quanto mais pessoas acessando a página do seu produto, maiores as chances de alguém se engraçar e resolver comprar alguma coisinha. Isso é verdadeiro tanto para marketplaces quanto para lojas virtuais, mas o marketplace tem essa vantagem enorme de já ter uma ‘clientela formada’ e receber um volume de acessos bem grande.

Custos com divulgação tendem a ser mais baixos: É, ué. Com esse maior volume de acessos, mais gente visita seus produtos, diminuindo os custos com divulgação, já que você não precisa atrair tantas pessoas e levá-las a olharem para o que você vende.

Infraestrutura massa: Normalmente, os marketplaces já têm soluções de pagamento seguras e confiáveis, integração com correios e transportadoras para facilitar o envio dos produtos, sem contar com a marca consolidada que leva as pessoas a terem muito mais confiança nos produtos que estão lá exibidos. Além disso, o sistema de recomendações costuma ser muito bem trabalhado nesses sites, e recomendação é um negócio que influencia bastante a decisão de compra do seu futuro cliente.

PORÉM:

Taxas de marketplaces costumam ser abusivas altas: Falando sério, mesmo. As taxas em marketplaces podem chegar a espantosos 20% sobre o valor do produto. Não é tão demoníaco se você pensar que é o único meio pelo qual eles recebem grana, mas é alto demais dependendo do que você quiser vender. Quando a gente coloca no papel e faz umas contas, pode valer mais a pena o investimento em divulgação de uma loja virtual só sua do que o pagamento de taxas desse tamanho a cada produto vendido.

Não é você, são os seus produtos: Não querendo demonizar o marketplace de novo, mas aí temos outra vdd: como eles são uma vitrine, pouco importa quem você é e o que você faz; o que conta são os seus produtos (tanto que as páginas de vendedores costumam ser bem simples e sem muito detalhe). E, novamente, é uma característica básica desse modelo de negócios que pode servir bem para alguns lojistas, mas não fazer tanto sentido para outros. Se você vende itens de luxo exclusivíssimos, por exemplo: certeza que pode ser um bom negócio vender em marketplace?

Evite ser negativado, Mercado Livre é coisa séria: Não é o que imaginamos para o seu caso (até porque tem que ser MUITO TRETA), mas é possível ser ‘kickado’ do marketplace caso suas práticas de venda não sejam adequadas, o que não acontece se você tem uma loja virtual só sua. Mas, pelamor, evite ser negativado na sua loja virtual também porque vender online é coisa muito séria.

Abrir sua própria loja virtual pode ser uma boa porque:

Custos operacionais mais baixos que os do marketplace: Aí, também depende muito de como você vai montar sua loja virtual. Mas, seja desenvolvendo um site de ecommerce do zero, seja através de uma plataforma, é bem possível que seus custos operacionais mensais sejam menores do que seriam vendendo uma quantidade grande de produtos num marketplace. De novo, é o caso de botar no papel e ver o que funciona melhor para o seu nicho, porque tudo depende de o quequanto você vende.

– Construindo a sua marcaEssa parte é importante. Se você quer vender online e pensou em produtos que podem fazer sucesso com determinado público-alvo, tem todo um conceito por trás das coisas que se perde quando você coloca ele numa vitrine virtual junto com zilhões de outros produtos. A vantagem de ter uma loja virtual só sua é que, principalmente no layout dela, você vai poder construir a sua própria marca – que vai se estender, depois, nos seus produtos e no atendimento que você der ao seu cliente. A experiência de compra adquire um sentido totalmente diferente, e ainda que seja mais difícil fazer com que o cliente chegue até a sua loja e faça uma compra, vai ser muito mais fácil mantê-lo como um cliente fiel na loja virtual do que no marketplace.

Você pode vender mais do que no marketplace: É, essa hora pode (e vai) chegar! Vender em marketplace pode te levar a um momento em que as vendas dão aquela estagnada. Nesse momento, você percebe que, enquanto esse modelo de negócios pode ter algumas limitações, uma loja virtual só sua é como um foguete que AVOA, ao infinito e além!

PORÉM:

Inicialmente, prepare-se para investir em divulgação: ‘Quem é você e de onde você surgiu?’ O mundo lá fora é bem cruel, crianças. Colocar sua marca nas cabeças pode ser um baita desafio. E nos últimos tempos tem sido bem difícil se fazer ouvir sem desembolsar um pouco e pagar por anúncios na internet. A boa parte disso tudo é que, com paciência e bastante trabalho, dá pra otimizar muito a divulgação da sua loja virtual e fazer muito gastando pouco.

Pode demorar um pouco até que as pessoas te descubram: Não é a mesma coisa de um marketplace, em que as pessoas fazem buscas específicas e, aí, encontram você lá pelo meio. No entanto, na sua loja virtual você não concorre com mais ninguém – mesmo que demore um pouco para a sua loja ficar conhecida e conseguir um volume de acessos considerável, já que entra em questão toda essa parte da divulgação.

E por que não ter ambos?

É, por que não? Na verdade, não tem nada que te impeça. É possível vender num marketplace e ter sua loja virtual numa plataforma gratuita e sem mensalidades, por exemplo, para aproveitar o melhor de dois mundos. Nesse caso, porém, é muito recomendável organizar direito seu estoque para não perder o controle de nada. Outra coisa que deve ser a mesma, seja vendendo em marketplace ou em uma loja virtual só sua, é a excelência no atendimento e no suporte ao cliente. Proporcione a melhor experiência de compra em qualquer lugar e você terá clientes apaixonados.

Usamos como fontes: aqui, aqui e aqui.