Dia a dia da sua loja |

10 sinais de que você está a beira de um Burnout

Veja as principais diferenças entre stress e burnout e entenda quais são os principais sinais dessa doença.

Redação

Redação

Em dezembro de 2015 eu mudei toda a minha família para o outro lado do país por conta de um novo trabalho. Em agosto de 2016 - nem 8 meses depois - larguei este trabalho. Eu não fiz isto porque consegui outro melhor ou mais bem pago. Eu apenas parei de ir. Não apareci um dia e nunca mais voltei.

Eis o que aconteceu: acordei uma manhã para me arrumar para o trabalho e meu cérebro e meu corpo estavam esgotados. É como quando chega naquele ponto que você come muito e o corpo recusa engolir outra mordida. Não era que eu não queria ir trabalhar, eu não conseguia.

Não sabia como explicar isso a ninguém - nem ao meu chefe, colegas, amigos e família, que ouviram eu falar animado sobre este trabalho por 3 meses antes de mudarmos. “Eu simplesmente não podia mais fazer isto”, parece fraco ou preguiçoso, o que não sou. A verdade é que nem eu entendia o que tinha acontecido.

Foi então que algumas semanas atrás eu li um artigo - “Vamos falar sobre burnout” - escrito por Stacey King Gordon que contou uma história familiar. Depois de transformar seu trabalho de freelancer em uma empresa de 1 milhão de dólares, ela simplesmente se afastou de tudo. O motivo: burnout.

O que é burnout?

“Burnout é o acidente de carro que você não vê vindo” - Stacey King Gordon

Eu sempre pensei em burnout como somente estar muito cansado de algo. Por exemplo: “pizza sempre foi minha comida favorita, mas eu tive um burnout sobre isso e ela não é mais”. Eu estava errado.

Burnout é uma desordem psicológica real causada por estresse crônico. O termo foi criado nos anos 70 pelo psicólogo Herbert Freudenberger que evidenciou os sintomas de burnout em voluntários de uma clínica pública para dependentes químicos. Ao longo do tempo, os voluntários anteriormente alegres e intensos tornaram-se exaustos e ressentidos pelos seus pacientes.

Os sintomas comuns de burnout incluem “uma sensação esmagadora de exaustão, sentimentos de cinismo e desapego, senso de ineficácia profissional e falta de realização”. Mas estas são apenas as formas em que o esgotamento se manifesta no cotidiano. Nos bastidores, o estresse crônico realmente altera a estrutura do cérebro.

Estudos têm mostrado que estresse crônico diminui o córtex frontal - processo normalmente associado ao envelhecimento. Como resultado, burnout não é algo que apenas acontece e termina.

Burnout tem efeitos a longo prazo sobre a memória, a criatividade e o alcance da atenção. Além disto, pessoas que já tiveram burnout apresentam menos controle emocional, significa que ficam estressadas mais facilmente que pessoas com cérebro saudável.

Estresse crônico já é conhecido por causar acidentes vasculares cerebrais em jovens profissionais - uma condição médica que ocorre principalmente em pessoas com mais de 65 anos.

Mas talvez pior do que as consequências a curto e longo prazo do burnout é a sua capacidade de passar despercebido. De acordo com a Dra. Sherrie Bourg Carter: "O Burnout não acontece de repente. Você não acorda uma manhã e, de repente,sofre burnout‘. Sua natureza é muito mais traiçoeira, nos arrasa com o passar do tempo como um lento vazamento."

Por este motivo, é crucial reconhecer os sinais de burnout antes que seja tarde demais.

10 principais sinais de Burnout

Stacey King Gordon explica que os sinais de que ela estava prestar a ter o burnout eram bastante óbvios. Começou a sofrer de insônia, ansiedade e depressão. Brigava com seu marido, parou de sair com os amigos e sentia-se sozinha - como se ninguém entendesse o que ela estava passando.

Os meus sintomas não eram tão pesados assim, mas os sinais estavam lá muito antes de me mudar para o outro lado do país. Os domingos - meu dia favorito da semana - não eram mais agradáveis. Passava o dia inteiro temendo trabalhar e me ressentia que o fim de semana estava acabando, embora ainda não tivesse. Comecei a sentir náuseas todas as manhãs enquanto dirigia para o trabalho.

Minha solução para o problema foi mudar para um trabalho do outro lado do país. A implicação desta solução é que nada mudou: o trabalho era praticamente o mesmo que eu fazia há três anos, apenas com mais responsabilidade e complexidade. Eu não alterei nada além do papel de parede.

O burnout só piorou com o novo emprego. Os mesmos sintomas anteriores ressurgiram após cerca de três meses e ainda novos foram desenvolvidos. Pequenas coisas me irritavam e eu me sentia incapaz de fazer meu trabalho, o que me levou a perder o controle. Tudo o que eu queria era assistir televisão porque assim eu não precisava pensar.

Ignorei os sinais porque pensei que eram algo da minha personalidade. Nunca atribui eles ao estresse. Mas todos esses sintomas são sinais bastante típicos de burnout:

1. Fadiga: se sente fisicamente ou emocionalmente exausto. Para de se exercitar, começa a dormir mais ou alimenta sua mente com distrações para evitar seus próprios pensamentos.

2. Insônia: tem problemas para dormir ou acorda constantemente e é comum também sonhar com o trabalho. Estes sonhos são ocasionalmente - ou frequentemente - pesadelos.

3. Vício: volta a fumar, começa a beber mais, usar drogas ou ganha peso por comer demais.

4. Solidão: se sente sozinho mesmo quando não está. Ninguém entende o que você está passando, mesmo quando entendem, não dão muita importância.

5. Sentimento de inadequação: se sente desqualificado para o seu trabalho, como se alguém tivesse errado ao te contratar. Você também pode se sentir um terrível esposo, pai, filho, amigo.

6. Irritação: qualquer coisa te enfurece. Você pode ter raiva de tudo e perceber que está frequentemente tendo discussões com colegas, familiares e amigos.

7. Cinismo: acredita que vai falhar, então fica bastante tempo convencendo você mesmo para começar ou experimentar qualquer coisa. Também pode ficar exageradamente crítico sobre as ideias dos seus colegas ou chefe.

8. Alienação: para de celebrar aniversários e datas comemorativas e não sente prazer em realizações profissionais.

9. Doença: tem dores de cabeça, sente como se tivesse com problemas de coração ou respiração (assim como na ansiedade), ou sente náuseas antes de ir ao trabalho.

10. Falta de concentração: demora para começar tarefas, perde prazos ou procrastina.

Com certeza, alguns desses sintomas podem ser por causa de estresse no geral, mas como a Dra. Sherrie Bourg Carter fala, “Esses sinais e sintomas existem continuamente. Em outras palavras, a diferença entre estresse e burnout é uma questão do grau, o que significa que o quanto antes você reconhecer os sinais, mais vai evitar o burnout.”

Estresse vs. Burnout

Se a diferença entre o estresse e o burnout é o grau com que você está enfrentando o sintoma, é importante entender como diferenciar os sinais de estresse e de burnout. O quadro abaixo mostra alguns possíveis estágios ao longo do processo. Use isto para avaliar onde você provavelmente está no aspecto de burnout.

SINTOMAS SINAIS DE ESTRESSE SINAIS DE BURNOUT
Fadiga Tem menos energia e se sente cansado na maioria dos dias. Está fisicamente e emocionalmente exausto fazendo qualquer coisa.
Insônia Ocasionalmente tem problemas para dormir ou continuar dormindo. Tem problemas para dormir ou continuar dormindo, mais do que o normal, possivelmente toda noite
Vício Começa a tomar uma taça de vinho, depois de um dia estressante, antes de ir para a cama. Se sente incapaz de relaxar sem beber.
Solidão Começa a sair menos e ter menos almoços com seus colegas de trabalho Muda seu caminho para evitar conversar com pessoas e fica frustrado quando conversam com você ou te convidam para sair.
Sentimento de inadequação Fala menos em reuniões e/ou se voluntaria menos para projetos. Sente que todo o seu trabalho é lixo e pensa porque te contrataram.
Irritação Pensa e debate como seus colegas de trabalho te irritam. Tem explosões de raiva no trabalho, se esconde no banheiro para chorar, ou entra em discussões acaloradas com colegas de trabalho.
Cinismo Sua perspectiva otimista é substituída por pessimismo. Você não só sente como o trabalho não funciona, como também acha inútil tentar ou considerar algo.
Alienação Custa a ir ao trabalho e passa a maior parte do tempo pensando em chegar a hora de ir embora. Se sente mal com a ideia de ir trabalhar e sequer espera seu tempo livre com amigos e familiares.
Doença Tem dores de cabeça com maior frequência. Fica doente com mais frequência com resfriados, febres, infecções ou outras doenças ligadas à baixa imunidade.
Falta de atenção Esquece coisas e tem problemas para prestar atenção em reuniões e apresentações. Não consegue ter foco em nada - tanto no trabalho, quanto em casa - gerando pilhas de trabalhos e responsabilidades negligenciadas.

Fonte: Dra. Sherrie Bourg Carter e Fundação Mayo para educação médica e pesquisa.

Se você está com múltiplos sinais de estresse, tome medidas imediatamente para limitá-lo e evitar que progrida para o burnout. Faça mais exercícios, limite as suas horas extras de trabalho, garanta que tenha quantidades saudáveis de horas de sono, e, se possível, transfira algumas responsabilidades para outras pessoas.

Se você está com pelo menos um sintoma de burnout, peça ajuda antes do estresse crônico causar danos irreparáveis. Primeiro, converse com o seu médico ou psicólogo para ter certeza se o que você tem é burnout ou algo ainda mais sério.

Em seguida, avalie as causas do seu estresse e tome medidas para parar de fazer o que causa esses sintomas. Como a Dra. Carter diz: “Burnout não é como uma gripe, não desaparece depois de algumas semanas a não ser que você faça algumas mudanças na sua vida. E tão difícil quanto pode parecer, isto é o mais inteligente a se fazer”.

Evitar o burnout pode significar ir até o seu chefe e ter uma conversa dolorosamente honesta, ou pode significar procurar um trabalho mais adequado à sua personalidade, sensibilidade e interesses.

Reconhecer comportamentos sintomáticos pode ser a chave

“Por definições convencionais de sucesso, eu fui bem sucedida. Por qualquer definição sã de sucesso, se você está no seu escritório deitado na sua própria piscina de sangue, você não é bem sucedido”. - Arianna Huffington.

Um ex chefe costumava me perseguir constantemente pedindo para eu fazer o trabalho dos outros para ele. Ele queria que eu intencionalmente deixasse em evidência todas as falhas que nosso departamento estava passando.

Eu não pude.

Eu me estressei por meses por conta de cada parte do projeto. Fazia tudo o que me pediam - às vezes escondida, para o meu chefe não descobrir. Trabalhei noites, finais de semana, levei o computador comigo nas férias. Todo o estresse parecia valer a pena no final, quando senti o orgulho de atingir um objetivo.

Eu não podia ver meu próprio burnout porque eu dizia para mim mesma que o estresse era temporário. Uma vez que o projeto fosse concluído, uma vez que eu estivesse na minha nova casa e com o novo emprego, uma vez que atingisse o próximo objetivo, o estresse diminuiria. Mas não demorava muito e antes mesmo de atingir um objetivo eu já estava ansiosamente perseguindo outro.

Em uma entrevista à Oprah, Arianna Huffington falou uma vez sobre sua própria experiência com o burnout - como ela entrou em colapso em seu próprio escritório e teve seus olhos cortados no processo. Não havia nada medicalmente errado com ela.Seu colapso foi resultado de estresse crônico.

Foi então que ela questionou a si mesma, “O que é sucesso?” e sua resposta foi “Por definições convencionais de sucesso, eu fui bem sucedida. Por qualquer definição sã de sucesso, se você está no seu escritório deitado na sua própria piscina de sangue, você não é bem sucedido.”

É fácil ver os sinais de burnout como temporários, para convencer-se de que eles são necessários para o sucesso ou para minimizá-los por um tempo com a emoção de algo novo. Por esse motivo, é importante também observar comportamentos que possam colocá-lo em risco de burnout e não apenas os sintomas:

  • Fazer horas extras com freqüência.
  • Trabalhar enquanto você está de férias, mesmo que esteja apenas "lendo e-mails".
  • Verificar o e-mail de trabalho durante a noite, o fim de semana, ou quando você sair da cama. *Aceitar novos trabalhos / projetos, mesmo quando você já está sobrecarregado.
  • Diminuir o tempo de sono para trabalhar ou pensar em algo do trabalho.

Mas talvez o maior sinal de alerta seja a racionalização das causas do estresse. O alto estresse pode parecer uma constante em sua vida, mas não é normal. Mesmo os empreendedores de alto desempenho, precisam de tempo para cuidar de si mesmos.

Lembre-se: burnout não quer dizer que você é fraco, incapaz ou tenha falhado

Este é o meu próprio ponto fraco quando se trata de burnout. Enquanto escrevia este texto, eu deletei tudo e comecei de novo, várias vezes, pensando que poderia deixar minha própria fraqueza pública e permanente.

Mas eu sei que isso não é uma fraqueza e que eu não sou um perdedor, mesmo que eu sinta o contrário. Há amplas evidências que comprovam que pessoas que sofreram de burnout avançaram para ser altamente bem sucedidas em papéis futuros.

  • Empresário anônimo deste artigo Harvard Business Review que se tornou o CEO de uma grande corporação.
  • Arianna Huffington que, após colapso do burnout em 2007, construiu uma propriedade digital tão influente que a AOL comprou por US $ 315 milhões apenas quatro anos depois.
  • E, finalmente, Hillary Clinton que, depois de ter tido burnout durante sua primeira campanha presidencial contra Barack Obama em 2008, passou a servir como Secretária de Estado e quase se tornou a primeira mulher presidente dos EUA.

Pessoas não tem burnout porque são fracas, mas sim porque exageram e vivem com estresse por tanto tempo que seus corpos se apoderam em defesa. E normalmente no momento que o corpo se dá conta, já é tarde demais. Mesmo depois de fazer mudanças profissionais e pessoais, os efeitos do burnout podem durar por toda a vida.

Se você está com algum sinal de burnout, faça mudanças para reduzir seus níveis de estresse. Se não tem certeza que o estresse que está enfrentando é normal, fale com um médico. Ao menos, a conversa poderá fornecer-lhe uma perspectiva sobre sua própria definição do que é preciso para ter sucesso.

Para obter idéias sobre como reduzir o estresse na sua vida pessoal e profissional, confira essas outras histórias (em inglês):

Texto traduzido. Leia o original no blog do Zapier.